domingo, 16 de novembro de 2014

Resenha: Sabonete de Massoia, da Ewé

Sempre adorei tudo o que é feito com coco, por isso fiquei na maior expectativa quando li que a marca brasileira Ewé iria lançar o Sabonete de Massoiaartesanal e 100% natural e vegetal, para ser usado no banho. A descrição dos ingredientes relacionados com coco me atraiu mais ainda: óleo saponificado de licuri orgânico, leite de coco produzido no ateliê, água de coco e óleo essencial de massoia, uma árvore nativa da Nova Guiné cuja casca possui um aroma que lembra o cheiro da polpa do coco.

Sabonete de Massoia, da Ewé
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Sabonete de Massoia não é testado em animais e não contém fragrâncias sintéticas, corantes artificiais, triclosano, e nem conservantes agressivos como parabenos, liberadores de formaldeído e BHT. Esta é a lista completa de ingredientes:
Óleo vegetal saponificado de licuri orgânico, leite de coco artesanal, água de coco, açúcar orgânico, óleo essencial de massoia, óleo-resina de alecrim, resina de benjoim.
Custou R$12,00 na loja virtual da marca, que entrega no Brasil inteiro pelo correio. Vem numa barra de 80g, com validade de um ano. A embalagem do sabonete é de papel cinza-azulado, com um rótulo de papel reciclado que informa a composição do produto, o peso e a validade. Além disso, existe uma proteção extra, um embrulho delicado de papel, e por fim o sabonete, que não é branco como o sabão de coco comum, usado para lavar roupa e louça, e sim cor de mel.

O aroma é delicioso, um perfume natural e simples de coco. Toda vez que sinto o cheiro tenho vontade de comer esse sabonete! E a espuma cremosa, que dá a impressão de verter leite de coco, faz com que o Sabonete de Massoia seja certamente o sabonete mais hidratante que já usei.

Tão hidratante que é o produto ideal para usar após ir à praia ou à piscina. E no dia a dia, deixando a pele muito bem tratada. Além do corpo, estou muito satisfeita em usar esse sabonete na área íntima, no rosto, e para depilar as pernas. Acredito que possa dar ótimos resultados como espuma de barbear.

Também pode ser utilizado como xampu sólido; limpa e perfuma os fios e o couro cabeludo. Não seria tão indicado para o meu cabelo especificamente, apesar de tê-lo deixado muito macio, desembaraçado e cheiroso. Como meu cabelo não é seco, precisa de produtos menos emolientes.

Fiquei feliz de ter apostado no Sabonete de Massoia e comprado logo quatro unidades. Por ser produzido artesanalmente, pode não estar disponível o tempo todo na loja online. Costumo acompanhar as novidades e as reposições no blog da Ewé e na página da marca no Facebook.

Informações mais detalhadas sobre a Ewé e Mona Soares, sua fundadora, foram publicadas recentemente aqui no Tantas Plantas, no texto “Resenha: Manteiga de Murumuru, da Ewé”.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Resenha: creme para corpo e rosto All-Round Cream, da Lavera

O All-Round Cream (algo como Creme para Tudo, em português), da marca alemã Lavera, é um dos produtos dos quais sempre tenho uma unidade fechada de reserva. A apresentação, a textura e a proposta são muito semelhantes às do mundialmente conhecido creme Nivea, com as vantagens de ser 100% vegetalvegan, certificado com o selo Natrue e cheio de ingredientes orgânicos, sem as substâncias polêmicas que tenho preferido evitar. Faz parte da linha Basis Sensitiv, adequada para peles sensíveis, e não é testado em animais.

All-Round Cream, da Lavera
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

All-Round Cream é um creme de hidratação e proteção intensivas, para o corpo e o rosto, voltado para toda a família (pessoas de todas as idades) e todos os tipos de pele, a um preço bem acessível. Pode ser usado também por gestantes. O produto é bege-claro e tem uma consistência espessa, mas fácil de espalhar. Realmente é eficaz no combate ao ressecamento. Traz um perfume suave e agradável, um “cheirinho de creme” tradicional, e deixa uma camada protetora e um brilho discretamente acetinado sobre a pele.

Gosto especialmente de passar esse creme nos cotovelos, nos joelhos e nas pernas. Minha filha de 6 anos também. Dá resultados muito bons quando aplicado nas mãos, nas unhas, nas cutículas e nos pés, antes de dormir, e é ótimo no inverno. Ajuda a manter a pele hidratada e evita o surgimento de problemas causados por dermatite atópica.

Como o Rio de Janeiro é uma cidade quente e úmida na maior parte do ano, não sinto necessidade de usar algo tão potente no rosto, mas utilizo o All-Round Cream nessa área quando o tempo está excepcionalmente frio, ou quando viajo para lugares assim. A marca também indica o produto para proteger a pele do rosto em situações de muita chuva e vento.

Com destaque para a manteiga de karité orgânica e o óleo de amêndoa orgânica, sua composição completa está copiada abaixo, junto com a tradução de cada termo.
Water (Aqua) / água, Glycine soja (soybean) oil* / óleo de soja*, Butyrospermum parkii (shea butter)* / manteiga de karité*, cetyl alcohol / álcool cetílico, glycerin / glicerina, alcohol* / álcool*, cetearyl alcohol / álcool cetearílico, glyceryl stearate citrate / citrato de estearato de glicerila, Prunus amygdalus dulcis (sweet almond) oil* / óleo de amêndoa doce*, Simmondsia chinensis (jojoba) seed oil* / óleo de semente de jojoba*, xanthan gum / goma xantana, hydrogenated palm glycerides / glicerídeos hidrogenados de palma, Hamamelis virginiana (witch hazel) water* / hidrolato de hamamélis*, Rosa damascena flower water* / hidrolato de rosa*, Melissa officinalis water* / hidrolato de melissa*, Helianthus annuus (sunflower) seed oil / óleo de semente de girassol, tocopherol / tocoferol, hydrogenated lecithin / lecitina hidrogenada, lecithin / lecitina, lysolecithin / lisolecitina, Brassica campestris (rapeseed) sterols / esteróis de colza, ascorbyl palmitate / palmitato de ascorbila, beta-carotene / beta-caroteno, Aloe barbadensis leaf extract / extrato de folha de babosa, fragrance (parfum)** / fragrância (perfume)**, limonene** / limoneno**, linalool** / linalol**, geraniol** / geraniol**, citral** / citral**, citronellol** / citronelol**, benzyl benzoate** / benzoato de benzila**, benzyl alcohol** / álcool benzílico**.
* Ingredients from certified organic agriculture / * ingredientes provenientes de agricultura orgânica certificada.
** Natural essential oils / ** óleos essenciais naturais.
Vem numa lata grande, de 150ml, com 9,5cm de diâmetro e 2,5cm de altura, e custa apenas £6,95. Compro sempre nas lojas virtuais inglesas Feel Unique e Love Lula, que entregam pelo correio no Brasil e em vários outros países, sem cobrar frete. A lata é branca com detalhes azuis e prateados. Sob a tampa existe um selo de proteção também metálico. É uma embalagem simples e resistente, funcional. Para carregar o creme na bolsa, transfiro parte dele para um pote pequeno. O prazo de validade é bem longo: meu All-Round Cream mais recente, adquirido em setembro de 2014, é válido até março de 2017.

Informações adicionais sobre a Lavera podem ser lidas no texto “Resenha: hidratante corporal sem perfume Neutral Body Lotion, da Lavera”.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Resenha: condicionador Shine & Care Hair Conditioner, da Lavera”
“Resenha: polvilhos Lavender & Tea Tree Body Powder, Geranium & Orange Body Powder e Baby Powder, da Neal's Yard Remedies”
“Resenha: creme para as mãos e bálsamo para unhas e cutículas da Sea Buckthorn Hand And Nail Collection, da Pai Skincare”
“Meu relato sobre dermatite atópica e o uso de produtos naturais com ingredientes orgânicos”

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Resenha: Manteiga de Murumuru, da Ewé

A Manteiga de Murumuru, da marca brasileira Ewé, é uma das melhores manteigas corporais que já usei. De acordo com a descrição da marca, o produto tem diversas ações: cicatrizante, antienvelhecimento, anti-inflamatória, tonificante, emoliente, inseticida e antimicrobiana. Tem me dado ótimos resultados, inclusive na prevenção de manifestações de dermatite atópica, que costumavam aparecer principalmente nas pernas.

Manteiga de Murumuru, da Ewé
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

A Manteiga de Murumuru é orgânica, 100% natural, artesanal, cruelty-free e não contém ingredientes de origem animal. Sua textura é firme sem ser dura, e se derrete logo ao entrar em contato com a pele. Apresenta o cheiro característico da manteiga de murumuru, que eu acho delicioso, e um aroma suave de litsea cubeba (também conhecida como may chang), uma planta asiática de cujos frutos é extraído um óleo essencial de perfume fresco, que remete ao limão. Na aromaterapia, a litsea cubeba está associada ao controle da hipertensão, de arritmia e da ansiedade, além de ter efeitos tonificante e adstringente na pele oleosa, entre outras propriedades.

O produto é uma pomada de tonalidade clara, amarela, e fica acondicionado num pequeno pote redondo, de vidro transparente, com tampa metálica de rosca. Simples e bem-feita, a embalagem é prática para transportar a manteiga na bolsa e em malas de viagem, e pode ser reutilizada de diversas maneiras quando estiver vazia. O rótulo, um adesivo bem colado na tampa, indica a composição completa, que está copiada a seguir.
Manteiga de murumuru*, extrato de calêndula*, óleos de andiroba*, copaíba* e Litsea cubeba.
* Ingredientes orgânicos.
Manteiga de Murumuru é rapidamente absorvida e protege a pele sem deixá-la engordurada. É indicada para recuperar a pele queimada pelo sol e irritada após a depilação, e realmente traz conforto nessas situações. É ideal para ombros, cotovelos, joelhos, calcanhares, unhas, cutículas e outras áreas do corpo com tendência ao ressecamento.

Em massagens, facilita os movimentos e fornece uma fragrância delicadamente cítrica e envolvente. Convém lembrar que gostar ou não de qualquer tipo de cheiro é uma questão muito pessoal.

A Manteiga de Murumuru está custando R$26,65 e vem com 30g. Seu prazo de validade é de 12 meses. O pote pode parecer pequeno à primeira vista, mas na verdade dura bastante, pois é cheio até a borda e o produto tem um bom rendimento.

A Ewé foi fundada em 2013, em Salvador, por Mona Soares, uma profissional formada em Farmácia que sempre teve interesse em cosmética e medicina naturais. O nome “Ewé” significa “folha” em iorubá. A marca oferece sabonetes, manteigas emolientes, óleos faciais e corporais, perfumes, águas florais, xampus, condicionadores, pomadas capilares, argilas e outros itens preparados artesanalmente.

Utiliza ingredientes especiais, minimamente processados e muitas vezes raros, como: manteigas de bacuri, cupuaçu, murumuru e karité; óleos de licuri, andiroba, pracaxi, dendê, jojoba, rosa mosqueta e argan; favas de baunilha; extratos de juá, mutamba, calêndula e jaborandi; resinas de copaíba, benjoim e elemi; óleos essenciais de rosa, mirra, sangue-de-dragão, pau-rosa, canela, laranja, massoia e sândalo.

Não são usados corantes artificiais, conservantes agressivos, perfumes sintéticos, entre outras substâncias polêmicas que prefiro evitar. As matérias-primas são escolhidas cuidadosamente e, sempre que possível, são usadas gorduras vegetais extraídas a frio e de cultivo orgânico. Não são feitos testes em animais.

O trabalho desenvolvido por Mona Soares é extremamente autoral e instigante, embasado por muito estudo, talento e ação. Seus produtos de cuidado pessoal e beleza trazem doses extras de aromas, texturas, cores e tradições amazônicas, sertanejas, egípcias e de outras regiões da África ao meu cotidiano aqui no Rio de Janeiro, esta cidade que já é tão plural. Mais do que artigos naturais e artesanais que cumprem o que está prometido na loja virtual, são canais de ampliação sensorial e mergulhos em outras culturas. E desempenham também funções de afirmação e divulgação de uma identidade genuinamente afro-brasileira.

Além da marca Ewé, Mona Soares escreve o blog Herbalismo e Alquimia (http://www.ewealquimias.com.br/). Claro e repleto de informações, o blog é ilustrado por belas fotos e traz a perspectiva de quem de fato elabora cosméticos naturais e possui formação específica nessa área.

Ela também oferece cursos presenciais de saboaria, as Oficinas de Saboaria Natural com Ervas. Ocorrem periodicamente em Salvador, e podem ser realizadas em outras cidades, inclusive fora da Bahia. A página da Ewé no Facebook avisa tanto sobre os lançamentos quanto sobre os cursos.

As criações da Ewé podem ser encontradas em feiras e bazares, além da loja online, que fica no endereço http://ewe.tanlup.com/ e entrega no Brasil todo pelo correio. A navegação é descomplicada, as fotos são lindas e as descrições dão detalhes e listas de ingredientes. Já fiz uma porção de compras dessa marca, e os itens sempre chegaram cuidadosamente embalados. Quem mora em Salvador pode receber sua encomenda em casa, mediante uma taxa de entrega fixa.

Se o pagamento for feito por depósito ou transferência bancária, há uma redução nos preços. O desconto é maior nas mercadorias com menor custo de produção. Nesse caso, em vez de comprar pela loja virtual, é preciso enviar a lista de produtos escolhidos para o email monalisoares@gmail.com.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“12 ingredientes que devem ser evitados”
“Resenha: manteiga nutritiva para mãos e rosto Vanilla Butter, da Phoenix Botanicals”
“Meu relato sobre dermatite atópica e o uso de produtos naturais com ingredientes orgânicos”
“Resenha: polvilhos Lavender & Tea Tree Body Powder, Geranium & Orange Body Powder e Baby Powder, da Neal's Yard Remedies”

domingo, 29 de junho de 2014

Meu relato sobre dermatite atópica e o uso de produtos naturais com ingredientes orgânicos

Fui uma criança alérgica, suscetível a mudanças climáticas, mofo, poeira e picadas de mosquito. Tinha rinite, resfriado e gripe com frequência, e volta e meia surgia alguma irritação ou alergia na minha pele. Cheguei a fazer imunoterapia com alérgenos (tratamento com vacinas) e felizmente melhorei progressivamente, até chegar ao ponto de não ter mais rinite na idade adulta, e os problemas respiratórios se tornarem raros. Mas os episódios de inflamação da pele continuavam ocorrendo de tempos em tempos, e descobri que sofro de dermatite atópica.

“A dermatite atópica é uma doença crônica que causa inflamação da pele, levando ao aparecimento de lesões e coceira.” Essa definição consta no site da AADA (Associação de Apoio à Dermatite Atópica)http://www.aada.org.br/ —, que tem informações úteis e objetivas. Algumas delas estão reproduzidas abaixo.
“A dermatite atópica afeta geralmente indivíduos com história pessoal ou familiar de asma, rinite alérgica ou dermatite atópica. Essas três doenças são conhecidas como as doenças atópicas ou triade atópica.
A causa exata da dermatite atópica é desconhecida. No entanto, atualmente se sabe que a dermatite atópica não é uma doença contagiosa, e sim uma doença de origem hereditária.
A pele seca é uma característica muito presente e representa um dos fatores que mais contribuem para a piora da dermatite atópica. Para evitá-la, deve-se tomar cuidado na hora do banho, que deve ser rápido e com água morna. Evitar uso excessivo de sabonetes e buchas e aplicar um hidratante neutro nos três minutos logo após o banho, antes que a água que está na pele se evapore.
Substâncias irritantes, como produtos químicos em geral, roupas de lã ou de fibras sintéticas, poeira e fumaça de cigarro devem ser evitadas. Usar basicamente roupas de algodão. O quarto ou outros ambientes onde se passa a maior parte do tempo devem ser bem arejados, desprovidos de muitos móveis, cortinas, carpetes e bichos de pelúcia. Essas medidas de controle ambiental facilitam a limpeza do ambiente.”
Além das providências citadas, beber bastante água, receber massagem e fazer automassagem com regularidade, diminuir a exposição ao barulho e outros tipos de poluição urbana, fazer terapia, praticar atividades físicas e manter uma boa alimentação, confirmada por uma nutricionista, são alguns dos recursos que uso para estabelecer um estado geral de equilíbrio e bem-estar, e minimizar o estresse — um fator que pode agravar a dermatite atópica.

Nunca deixo de usar hidratantes no corpo inteiro e no rosto, imediatamente após meus dois banhos diários. Na hora de dormir, reaplico em certos pontos, e no outono e no inverno acrescento óleos vegetais e manteigas emolientes. Não esfrego a toalha na pele ao me enxugar, e quase não utilizo esfoliantes.

Por sorte, o meu caso não é grave. Depoimentos de pacientes graves expõem a realidade da discriminação da qual são alvo por causa da aparência da sua pele, e falam de como o preconceito e o desconforto afetam sua autoimagem e suas relações interpessoais. Não passei por isso, pois em mim as lesões são brandas (no princípio parecem picadas de mosquito) e são sempre incidências isoladas (no máximo três manchas por vez), portanto passam despercebidas pela imensa maioria das pessoas que me conhecem. Nas ocasiões em que ficaram mais críticas, estavam localizadas em áreas discretas.

Costumam aparecer nas minhas pernas, abaixo dos joelhos (essa é a região mais ressecada do meu corpo), e durante o inverno (quando o clima se torna mais frio e seco, e eu passo a tomar banho com água mais quente) ou quando estou extremamente estressada. Começam como uma mancha pequena, avermelhada, e a coceira inicialmente não é intensa. Acabei aprendendo que é importante tratar as manifestações assim que elas surgem; do contrário, as manchas tendem a ir crescendo e a coçar mais, podendo apresentar descamação e escoriações. Para combater os sintomas, passo logo um medicamento tópico, receitado por uma dermatologista. Com ele, minhas lesões desaparecem completamente em poucos dias.

Convém frisar que a orientação médica é fundamental. Meus objetivos nesse texto são apenas passar algumas informações sobre a dermatite atópica — também denominada eczema atópico — e contar sobre hábitos e produtos naturais com ingredientes orgânicos que eu tenho usado para lidar com o problema da pele ressecada. Quero ressaltar que o fato de funcionarem comigo não necessariamente significa que darão o mesmo resultado em outras pessoas. Nada que esteja publicado aqui no Tantas Plantas tem o intuito de substituir avaliações médicas, nem tampouco prescrições médicas.

Nesse blog me proponho simplesmente a relatar minhas experiências com alternativas sem parabenos, liberadores de formol, BHT, silicones, ftalatos, lauril sulfato de sódio e lauril éter sulfato de sódio, metilcloroisotiazolinona e metilisotiazolinona, triclosan, corantes artificiais, propilenoglicol, perfumes sintéticos e derivados de petróleo como o óleo mineral, entre outras substâncias controversas mencionadas no texto “12 ingredientes que devem ser evitados” (a lista começou com 12 e está sendo ampliada aos poucos).

Fiquei surpresa ao encontrar uma enorme variedade de opções que atendem a esses requisitos, ao mesmo tempo em que cumprem o que se espera de cada tipo de produto de cuidado pessoal. Vários desses itens são nacionais, e todos os restantes podem ser entregues no Brasil, ainda que boa parte deles seja de empresas estrangeiras que ainda não têm representação no país.

A pele do meu corpo é bem seca, embora a do rosto seja mista e a do couro cabeludo seja normal. Uma mudança que fez uma grande diferença para mim foi trocar os sabonetes convencionais por sabonetes 100% naturais, com ingredientes orgânicos quando possível. Gosto especialmente do Sabonete #49 Castanha-do-Pará 72% Bio e do Sabonete #51 Oliva & Lavanda, ambos da marca artesanal e brasileira Sachi, que emprega óleos e manteigas vegetais na elaboração de seus sabonetes, pelo método cold process. Limpam sem exagero e são adequados para o rosto e o corpo todo, incluindo a área íntima. Servem até para fazer depilação; os homens podem usá-los para fazer a barba. Utilizo os sabonetes da Sachi também como xampus sólidos, todos os dias, desde dezembro de 2011, e meu cabelo está mais saudável.

Fiquei muito contente ao descobrir condicionadores excelentes: o Bare Unscented Detangler, sem perfume, e o Citrus & Neroli Detangler, que são da marca americana John Masters Organics e podem ser aplicados como leave-in, e o Shine & Care Hair Conditioner, da empresa alemã Lavera. Os dois primeiros contam com ingredientes orgânicos como extratos de arnica e calêndula, e óleos de jojoba, linhaça e prímula, além de proteínas vegetais e hialuronato de sódio. O terceiro destaca o óleo de abacate orgânico e o leite de amêndoa orgânica na sua composição, e também possui queratina vegetal e extrato de calêndula orgânica.

E estou bastante satisfeita com a utilização de óleos vegetais como tratamento capilar, num procedimento de umectação que inclui massagem no couro cabeludo com os mesmos óleos que são aplicados nos fios. Meus preferidos são o Bhringaraj Oil, uma combinação orgânica de óleo de gergelim com erva-botão, da marca inglesa ayurvédica Pukka [ATUALIZAÇÃO, 28/10/14: Infelizmente, o Bhringaraj Oil foi descontinuado], e uma mistura do Óleo de Coco Virgem Orgânico, da Dr. Orgânico, uma empresa brasileira de alimentos (sendo que o óleo vem das Filipinas), com o Óleo de Linhaça Orgânico, da Jatobá, uma produtora nacional de alimentos orgânicos.

Para hidratação corporal, a Neutral Body Lotion, da marca alemã Lavera, é uma loção intensiva e sem perfume que tem combatido o ressecamento da minha pele com sucesso nos invernos passado e retrasado, e da qual guardo uma unidade de reserva nas demais estações do ano, para passar quando for preciso. Foi desenvolvida para peles muito sensíveis e foi testada em pessoas que sofrem de eczema, rosácea e psoríase. Contém óleo de prímula orgânica e o óleo de jojoba orgânica. Já no outono e no inverno deste ano estou experimentando um achado recente, que também tem dado um ótimo resultado: a Loção Hidratante Copaíba, da marca brasileira Cativa, formulada para peles sensíveis, com tendência a psoríase e dermatites. Contém óleo de copaíba, manteiga de cupuaçu orgânico e óleo de andiroba orgânica.

Neutral Body Lotion, da Lavera
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Loção Hidratante Copaíba, da Cativa
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Os melhores produtos para o meu rosto têm sido o Creme Facial Noturno de Rosas, formulado com extrato de acerola, manteiga de cupuaçu, óleo de rosa mosqueta e extrato de açaí, todos orgânicos, entre outros ativos botânicos, da marca nacional Ikove, e o protetor labial orgânico Vanilla Bean Cocoa Butter Lip Balm, um bastão feito com azeite de oliva, manteiga de cacau, cera de abelha e extrato de baunilha, entre outros ingredientes orgânicos, da empresa americana Badger.

E eventualmente reforço a hidratação nas áreas mais secas do corpo e do rosto com um dos seguintes itens: a Manteiga de Murumuru, orgânica, da marca artesanal e brasileira Ewé, a pomada Creamy Cocoa Butter Everyday Body Moisturizer, à base de manteiga de cacau orgânica e fair trade, da fabricante americana Badger, o óleo vegetal de prímula orgânica Evening Primrose Oil, da empresa inglesa Balm Balm, o creme All-Round Cream, feito com manteiga de karité orgânica e óleo de amêndoa orgânica, da já citada marca alemã Lavera.

Os produtos mencionados não são testados em animais, e a maioria possui uma formulação adequada para quem é adepto(a) do veganismo. Alguns deles ainda não tiveram textos publicados no Tantas Plantas, os que faltam estão a caminho. Quase todos são indicados inclusive para crianças, e outros são compatíveis com grávidas; essas informações são dadas nas respectivas resenhas, nas quais sempre coloco as listas completas de ingredientes. Por serem artesanais, os itens comentados das marcas Sachi e Ewé às vezes se encontram indisponíveis, porém é possível entrar em contato com ambas para ter uma previsão de quando chegarão às lojas virtuais.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Resenha: Sabonete de Massoia, da Ewé”
“O que é importante saber antes de comprar em sites estrangeiros”
“Aromaterapia: onde encontrar óleos vegetais orgânicos”
“Resenha: filtro solar para o rosto SPF 35 Sport Sunscreen Face Stick, da Badger, para adultos e crianças”

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Resenha: condicionador Shine & Care Hair Conditioner, da Lavera

Estou usando produtos da marca alemã Lavera há alguns anos e a linha Basis Sensitiv é a que tem me deixado mais satisfeita. Recentemente comprei o condicionador Shine & Care Hair Conditioner (algo como Condicionador para o Cabelo de Brilho e Cuidado, em português) e gostei muito. Indicado para toda a família, é 100% natural, elaborado para cabelos normais a secos, contém ingredientes orgânicos de produção própria, é aromatizado somente com óleos essenciais e não leva parabenos ou outros conservantes sintéticos, nem silicone, parafina ou óleo mineral. Possui o selo Natrue, não contém substâncias de origem animal, e segundo a empresa é adequado inclusive para gestantes. A Lavera faz parte da BDIH e não testa em animais.

Shine & Care Hair Conditioner, da Lavera
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

A lista completa de ingredientes está copiada abaixo, junto com os respectivos termos traduzidos.
Water (aqua) / água, Glycine soja (soybean) oil* / óleo de soja*, alcohol* / álcool*, cetearyl alcohol / álcool cetearílico, myristyl alcohol / álcool miristílico, glyceryl stearate citrate / citrato de estearato de glicerila, isoamyl laurate / isoamil laurato, lauryl laurate / lauril laurato, lauryl glucoside / lauril glicosídeo, sodium PCA / PCA de sódio, Persea gratissima (avocado) oil* / óleo de abacate*, Prunus amygdalus dulcis (sweet almond) seed extract* / extrato de caroço de amêndoa doce*, Calendula officinalis flower extract* / extrato de flor de calêndula*, Rosa damascena flower water* / hidrolato de rosa*, dehydroxanthan gum / goma deidroxantana, PCA glyceryl oleate / PCA oleato de glicerila, potassium cetyl phosphate / cetil fosfato de potássio, arginine / arginina, hydrogenated lecithin / lecitina hidrogenada, hydrolyzed corn protein / proteína de milho hidrolizada, hydrolyzed wheat protein / proteína de trigo hidrolizada, hydrolyzed soy protein / proteína de soja hidrolizada, leuconostoc/radish root ferment filtrate / leuconostoc/filtrado de rabanete fermentado, sodium phytate / fitato de sódio, tocopherol / tocoferol, ascorbyl palmitate / palmitato de ascorbila, Helianthus annuus (sunflower) seed oil / óleo de semente de girassol, fragrance (parfum)** / fragrância (perfume)**, limonene** / limoneno**, linalool** / linalol**, geraniol** / geraniol**, citral** / citral**.
* Ingredients from certified organic agriculture / * ingredientes provenientes de agricultura orgânica certificada.
** Natural essential oils / ** óleos essenciais naturais.
A descrição impressa na embalagem destaca o óleo de abacate e o leite de amêndoa, ambos orgânicos. Esses componentes levariam nutrientes para os fios e os envolveriam numa camada protetora, evitando a perda de hidratação. Devido à queratina vegetal presente em sua formulação, o Shine & Care Hair Conditioner cumpre bem as promessas de dar brilho e ajudar a desembaraçar, apesar de não ser um condicionador extremamente deslizante. O que eu não esperava era descobrir que esse produto deixa meu cabelo um pouco mais cheio! Não de um jeito negativo, armado; a sensação que eu tenho é de um cabelo mais resistente, com uma aparência ligeiramente mais volumosa.

A consistência do condicionador é firme, bastante cremosa. A cor é branca e o perfume é suave, floral, fácil de agradar. Uso uma quantidade equivalente a dois grãos-de-bico para espalhar do meio do comprimento até as pontas, deixo agir por alguns minutos, enxáguo com a cabeça em posição normal e depois com a cabeça abaixada, com o cabelo todo virado para a frente do rosto.

Meu cabelo é liso e praticamente preto, comprido (passa uns 15cm da linha dos ombros) e normal em termos de oleosidade e espessura. Lavo todos os dias com sabonetes naturais em barra, passo condicionador em seguida e faço umectação uma vez por semana com óleos vegetais. Não uso secador. De vez em quando aplico henna em pó para disfarçar os fios brancos, que ainda não são muitos.

De acordo com o site inglês da marca, todos os cosméticos da Lavera têm sua estabilidade testada e apresentam um prazo de validade de até quase três anos. O Shine & Care Hair Conditioner da foto, por exemplo, foi adquirido em abril de 2014 e pode ser usado até junho de 2016.

A embalagem é uma bisnaga branca de plástico, com alguns detalhes azuis, outros prateados, e uma tampa flip-top que fecha perfeitamente. Vem com 150ml, e o rendimento é razoável mas não extraordinário, por outro lado o produto custa só £5,95.

Fiz a compra na loja virtual britânica Feel Unique, que entrega no mundo inteiro, trabalha com várias marcas (embora nem todas sejam orgânicas ou ao menos efetivamente naturais), oferece descontos em torno de 15% com frequência, e não cobra o envio em encomendas a partir de £10,00. E é possível usufruir de um desconto permanente de 10% numa marca específica desse site, à escolha de cada cliente. O texto “Loja virtual: Feel Unique” tem mais detalhes.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“12 ingredientes que devem ser evitados”
“Resenha: xampus e condicionadores da John Masters Organics”
“Resenha: hidratante corporal sem perfume Neutral Body Lotion, da Lavera”
“Resenha: creme para corpo e rosto All-Round Cream, da Lavera”
“Resenha: Sabonete Argila Vermelha e Aloe Vera, da Reserva Folio”

domingo, 8 de junho de 2014

Resenha: pincel #17 Blush Brush e blushes minerais Satin Matte Blush e Luminous Shimmer Blush, da Alima Pure

O meu blush em pó predileto é o Luminous Shimmer Blush, na cor Freja, aplicado com o pincel #17 Blush Brush. Ambos são da marca de maquiagem mineral norte-americana Alima Pure. Para chegar a essa escolha, olhei todas as fotos de blushes no site da empresa, pesquisei swatches e resenhas em blogs, tirei dúvidas no chat online de lojas virtuais especializadas em produtos orgânicos e naturais, encomendei amostras de cinco cores, testei, e finalmente comprei os produtos definitivos.

Blushes minerais da Alima Pure, nas cores Honey Rose, Mimosa, Freja, Apple Blossom e Pink
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

A Alima foi fundada por Kate O’Brien, tendo em mente sua filha adolescente Sara, que estava começando a se interessar por maquiagem em 2004, o mesmo ano em que a mãe de Kate ficou doente e faleceu. Pesquisando os ingredientes dos cosméticos que sua filha queria usar, Kate começou a refletir sobre os pequenos fatores que poderiam ter contribuído para o adoecimento de sua mãe, e decidiu criar uma marca de produtos que fossem seguros para a saúde e ao mesmo tempo atraentes por suas texturas, cores e acabamentos. A Alima tem a certificação para cosméticos naturais BDIH e faz parte da PETA, da Coalition for Consumer Information on Cosmetics, da 1% for the Planet e do Programa Carbono Neutro.

O pincel #17 Blush Brush tem cabo de madeira clara, ferragem de metal num tom amarronzado e cerdas sintéticas. Pega uma quantidade razoável de produto de cada vez e é macio na medida certa. Proporciona uma aplicação precisa e uniforme tanto de blush quanto de pó facial (também é adequado para essa finalidade). Até hoje nenhuma cerda caiu ou desbotou durante as lavagens.

Todos os blushes da Alima são veganos, cruelty-free, não comedogênicos, não contêm corantes artificiais e nem perfumes. São indicados pela empresa para todos os tipos de pele. Por serem maquiagens minerais, são antibacterianos e não necessitam de conservantes. Também não contêm oxicloreto de bismuto (bismuth oxychloride). A lista de ingredientes é sucinta e 100% natural (o termo orgânico não teria como ser empregado aqui, pois maquiagem mineral não é de origem vegetal ou animal, sendo portanto inorgânica por definição):
Mica / mica (CI 77019), may contain / pode conter [+/-]: iron oxides / óxidos de ferro (CI 77491, CI 77492, CI 77499), titanium dioxide / dióxido de titânio (CI 77891).

Blushes minerais da Alima Pure, nas cores Honey Rose, Mimosa, Freja, Apple Blossom e Pink
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Das cinco amostras adquiridas, quatro são de blush mate (Satin Matte Blush) e uma é de blush cintilante (Luminous Shimmer Blush). As cores são fiéis às descrições do site, copiei abaixo e acrescentei traduções literais. Na foto com os swatches, o meu braço está apoiado no parapeito de uma janela.
  • Honey Rose (Rosa Mel) / Satin Matte Blush (Blush Mate Acetinado): warm medium peachy rose (rosa-pêssego médio, quente).
  • Mimosa (Mimosa) / Satin Matte Blush (Blush Mate Acetinado): soft peachy rose (rosa-pêssego suave).
  • Freja (Freja) / Luminous Shimmer Blush (Blush Cintilante Luminoso): peachy apricot with very subtle shimmer (damasco-pêssego com brilho muito sutil).
  • Apple Blossom (Flor de Maçã) / Satin Matte Blush (Blush Mate Acetinado): cool petal pink (rosa-pétala frio).
  • Pink (Rosa) / Satin Matte Blush (Blush Mate Acetinado): soft neutral pink (rosa suave, neutro).
Com exceção de Apple Blossom, que é uma tonalidade fria, todas essas opções são quentes de algum modo. Mimosa e Apple Blossom são cores extremamente claras, que quase desaparecem na minha pele, a não ser que eu use várias camadas sobrepostas. Acho que funcionariam apenas em pessoas superpálidas. Freja me dá uma aparência saudável e corada, e as partículas cintilantes são minúsculas, discretas. Pink é uma cor um tanto mais fria, mas não totalmente. E Honey Rose é um tom muito bonito, mas ficou escuro demais no meu rosto. Existem opções bem mais escuras. Freja, Pink e Honey Rose são bastante pigmentados, fazem efeito com pouco produto.

Esses blushes são pós finíssimos que deslizam facilmente; a aplicação é descomplicada, ainda mais com esse pincel. Mesmo depois de seis ou sete horas de uso consigo ver cor no meu rosto. Não experimentei por um período mais prolongado. Adoro a combinação de Freja e a base Atmosphere Luminous Foundation, da Vapour, na cor 120.

O pincel #17 Blush Brush custa US$24,00 e tem 13,5cm de comprimento. O Luminous Shimmer Blush e o Satin Matte Blush vêm em potes de 5g, com 5cm de diâmetro e 2,3cm de altura, e custam US$20,00 cada. O pote é de acrílico transparente, com tampa marrom nacarada, enfeitada com um passarinho em baixo-relevo. Possui sifter, aquela peneirinha acoplada que fica entre a tampa externa e o pó solto. E é vendido dentro de uma caixa linda de papel reciclado, cheia de detalhes delicados. O texto “Resenha: sombras minerais Satin Matte Eyeshadow, da Alima Pure” mostra uma foto das embalagens das sombras; as dos blushes seguem o mesmo estilo, mas são maiores.

Já as amostras chegam em potinhos menores, de 2,7cm de diâmetro, com uma quantidade bem pequena, e custam US$1,75 no site da Alima. Como os blushes rendem muito, o pouco que vem de amostra basta para vários testes. O passarinho impresso na tampa dá um charme especial. Esses potinhos são ótimos para reutilizar em viagens curtas, têm o tamanho ideal para guardar hidratante facial, por exemplo.

Comprei as amostras, o blush em tamanho normal e o pincel nas lojas virtuais estrangeiras I Am Natural StoreSpirit Beauty Lounge, que não trabalham com todos os itens da marca, mas têm a vantagem de oferecer uma boa variedade de produtos de outros fabricantes. Já a loja online da própria Alima tem como principais pontos positivos o frete mais em conta, o acesso às suas linhas completas (incluindo coleções sazonais e promoções) e um sistema de devolução com reembolso caso a cliente não tenha ficado satisfeita com alguma aquisição.

O blog Lookaholic tem uma resenha sobre o Satin Matte Blush na cor Pink: “Satin Matte Blush (cor Pink), Alima Pure”.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Resenha: protetores labiais coloridos Nourishing Lipbalm, da Alima Pure”
“Resenha: sombras minerais Satin Matte Eyeshadow, da Alima Pure”
“Resenha e swatches: batons, blushes, sombras e iluminadores da RMS Beauty”
“Resenha, loja virtual e promoção: base e corretivo da Vapour Organic Beauty”

sexta-feira, 6 de junho de 2014

A loja virtual da Alima Pure agora entrega no Brasil

Acabei de descobrir que a loja virtual da marca de maquiagem mineral Alima Pure passou a fazer envios para o Brasil! Uma excelente notícia para um país com tão pouca oferta de maquiagem 100% natural de verdade.

O frete custa US$9,00 para compras de até US$12,00 (modalidade International First Class), US$24,00 para compras de até US$65,00 (modalidade International Priority Mail), e US$19,00 para compras acima desse valor (modalidade International Priority Mail também). Uma forma de tornar o pedido mais viável é fazer a encomenda junto com outras pessoas e ratear os custos do frete e das taxas.

Os pacotes de US$12,00 ou mais incluem uma amostra (geralmente de sombra), e os de pelo menos US$55,00 levam duas. São amostras gratuitas e selecionadas pela equipe da Alima. Também é possível adquirir amostras específicas, determinadas pelos clientes. Mas o melhor de tudo é poder ter todos os itens da marca à disposição, incluindo coleções especiais (edições limitadas), kits e promoções.


Nourishing Lipbalm, nas cores Holly Berry, Cranberry e Fig (de cima para baixo), da Alima Pure
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]


Satin Matte Eyeshadow, nas cores Vanilla e Raven, da Alima Pure
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Aqui no blog já publiquei resenhas sobre sombras (Satin Matte Eyeshadow) e protetores labiais coloridos (Nourishing Lipbalms). As fotos acima saíram nos respectivos textos. E estou preparando uma resenha nova, sobre blushes (Satin Matte Blush e Luminous Shimmer Blush) e um pincel (#17 Blush Brush).

Os Nourishing Lipbalms foram reformulados e passaram a se chamar Lip Tints. O lançamento aconteceu em outubro de 2013. A cores continuam praticamente as mesmas, mas a nova composição não tem mais cheiro de hortelã, que foi substituído pelos aromas de baunilha e manteiga de cacau. E a embalagem agora vem com mais produto (3,6g), ao mesmo tempo que o preço continua tendo uma boa relação custo-benefício (US$12,00).

A empresa tem o aval da certificadora alemã para cosméticos naturais BDIH e é um membro da PETA e da Coalition for Consumer Information on Cosmetics.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Resenha: sombras minerais Satin Matte Eyeshadow, da Alima Pure”
“Resenha: pincel #17 Blush Brush e blushes minerais Satin Matte Blush e Luminous Shimmer Blush, da Alima Pure”
“Resenha: protetores labiais coloridos Nourishing Lipbalm, da Alima Pure”
“O que é importante saber antes de comprar em sites estrangeiros”

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Resenha: cremes dentais Salt Toothpaste e Plant Gel Toothpaste, da Weleda

Comecei a usar cremes dentais da Weleda diariamente em março de 2013, e continuo usando até hoje. Minha primeira escolha foi o Plant Gel Toothpaste, especificamente desenvolvido para gengivas sensíveis. Usei algumas unidades, comprei outras para dar de presente. Meses depois, em novembro, ganhei de uma amiga o Salt Toothpaste, moderadamente abrasivo e feito para proteger dentes e gengivas. Esse passou a ser o meu preferido, tenho recomprado sempre.

Creme dental Salt Toothpaste, da Weleda
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Ambos são naturais, e não contêm aromatizantes, corantes e conservantes artificiais, óleo mineral e outros derivados de petróleo, flúor sintético, surfactantes. Custam £4,50 na Feel Unique e US$6,14 na iHerb, vêm com 75ml, têm prazo de validade de alguns anos e recomendação de uso em até 9 meses após serem abertos.

A apresentação é muito parecida: tanto o Plant Gel Toothpaste quanto o Salt Toothpaste vêm numa bisnaga de metal com tampa de plástico branco e são protegidos também por um folheto explicativo e uma caixa de papel reciclável. A diferença está na cor da embalagem; a do primeiro é verde e branca, a do segundo é azul e branca. O conjunto é bem robusto, acho a tampa até grande demais.

Já estiveram disponíveis no Brasil, com os nomes Gel Dental Vegetal para o Plant Gel Toothpaste, e Creme Dental Salino para o Salt Toothpaste. É uma pena que tenham sido descontinuados por aqui há anos, mas felizmente as lojas virtuais citadas fazem envios para o País.

O Salt Toothpaste possui o selo Natrue. A lista de ingredientes está anotada abaixo, com termos correspondentes em português.
Sodium bicarbonate / bicarbonato de sódio, water (aqua) / água, glycerin / glicerina, silica / sílica, Mentha piperita (peppermint) oil / óleo de hortelã-pimenta, Prunus spinosa fruit juice / suco da fruta do abrunheiro-bravo, Commiphora myrrha resin extract / extrato da resina de mirra, Krameria triandra root extract / extrato da raiz de ratânia, Aesculus hippocastanum (horse chestnut) bark extract / extrato de castanha-da-índia, Arum maculatum root extract** / extrato da raiz de aro**, sodium chloride / cloreto de sódio, Cyamopsis tetragonoloba (guar) gum / goma guar, Simmondsia chinensis (jojoba) seed oil / óleo da semente de jojoba, alcohol / álcool, esculin / esculina, lactose / lactose, flavor (aroma)* / sabor (aroma)*, limonene* / limoneno*, linalool* / linalol*.
* From natural essential oils / * de óleos essenciais naturais.
** In highly diluted form / ** em forma altamente diluída.
Por ser à base de bicarbonato de sódio, inicialmente pensei que eu não iria me adaptar a esse produto, pois detesto a aplicação de bicarbonato nas consultas à minha periodontista. Para minha surpresa, a textura granulosa e o sabor salgado do Salt Toothpaste me agradaram bastante. Ele dá também uma sensação de muita refrescância.

A cor é avermelhada, e a textura é consistente, mas não machuca as minhas gengivas. A quantidade mostrada na foto, do tamanho de uma ervilha, para mim é suficiente para cada escovação.

Esse creme dental foi projetado para aumentar a produção de saliva (além de bicarbonato de sódio, conta com sal marinho na composição), e sinto que isso realmente contribui para a limpeza dos dentes, das gengivas, da língua, da boca como um todo.

O Plant Gel Toothpaste tem uma formulação vegan. Coloquei a lista de ingredientes, com tradução, logo a seguir.
Glycerin / glicerina, water (aqua) / água, hydrated silica / sílica hidratada, Krameria triandra root extract / extrato da raiz de ratânia, Chamomilla recutita (matricaria) flower extract / extrato da flor de camomila, Commiphora myrrha resin extract / extrato da resina de mirra, algin / algina, alcohol / álcool, esculin / esculina, flavor (aroma)* / sabor (aroma)*, limonene* / limoneno*.
* From natural essential oils / * de óleos essenciais naturais.
É um gel avermelhado, com cheiro, gosto e textura bem suaves, agradáveis. É adocicado e apenas ligeiramente refrescante, significativamente menos do que as pastas convencionais.

O extrato de camomila é utilizado por sua ação anti-inflamatória. Esse creme/gel dental foi elaborado de modo a preservar o equilíbrio da flora bucal e não afetar o esmalte dentário.

Tanto o Plant Gel Toothpaste quanto o Salt Toothpaste não fazem espuma, e levei alguns dias para me acostumar com essa característica. O fato de não haver espuma não prejudica a escovação, os dentes ficam efetivamente limpos. Fiquei muito satisfeita com os dois produtos. Na minha opinião, o Salt Toothpaste é mais eficaz para evitar o acúmulo de placa bacteriana e a formação de tártaro. Já o Plant Gel Toothpaste tem o mérito de ser extremamente delicado.

Quanto ao fabricante, a Weleda praticamente dispensa apresentações. Foi fundada na Suíça, em 1921, por três indivíduos: o filósofo austríaco Rudolf Steiner, a médica holandesa Ita Wegman e o farmacêutico austríaco Oskar Schmiedel. A abordagem holística, totalmente integrada aos princípios da antroposofia, persiste até os dias atuais. A Weleda possui o maior jardim biodinâmico de plantas medicinais da Europa, e atua em mais de 50 países, nos 5 continentes. Está presente no Brasil desde 1959. Aqui, seus produtos podem ser adquiridos na loja virtual (que fica dentro do site da empresa: http://www.weleda.com.br/), em farmácias Weleda localizadas em várias cidades, e em muitas outras lojas físicas e virtuais independentes (informações adicionais podem ser obtidas no número 0800 55 32 66).

O blog Projeto Beleza Saudável também tem uma resenha sobre um desses cremes dentais: “Plant Gel Toothpaste – Weleda”.

ATUALIZAÇÃO, 26/06/14: Existem dentistas que desaconselham o uso frequente de cremes dentais que contenham bicarbonato de sódio, justamente por causa de sua ação abrasiva.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Resenha: Wild Rose Balm, da Phoenix Botanicals”
“Resenha: creme para corpo e rosto All-Round Cream, da Lavera”
“Resenha: 3 sabonetes vegetais em barra da Reserva Folio – Andiroba, Harmonia e Despertar”“Resenha: filtro solar para o rosto SPF 35 Sport Sunscreen Face Stick, da Badger, para adultos e crianças”

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Aromaterapia: onde encontrar óleos vegetais orgânicos

Tanto na área de produtos de beleza e cuidado pessoal quanto na área de alimentos, ingredientes orgânicos são sempre naturais, no entanto ingredientes naturais não são necessariamente orgânicos. Entre outras informações úteis, o site do Ministério da Agricultura (que fornece o selo SisOrgSistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica –, com os dizeres “Produto Orgânico Brasil”) apresenta a seguinte explicação na página “Perguntas e respostas” da seção “Orgânicos”:
O que é um alimento orgânico? Para ser considerado orgânico, o produto deve ser cultivado em um ambiente que considere sustentabilidade social, ambiental e econômica e valorize a cultura das comunidades rurais. A agricultura orgânica não utiliza agrotóxicos, hormônios, drogas veterinárias, adubos químicos, antibióticos ou transgênicos em qualquer fase da produção.”
Por isso passei a dar preferência aos orgânicos também em aromaterapia e em receitas caseiras, tanto quanto possível, e tem sido um grande prazer descobrir excelentes opções orgânicas de óleos vegetais (também conhecidos como óleos carreadores ou óleos-base), óleos essenciais e hidrolatos, de empresas nacionais e de empresas estrangeiras cujos produtos são entregues no Brasil, pelo correio.

Até o momento, os meus óleos vegetais favoritos são o Óleo Vegetal de Calêndula da Cativa Natureza (tecnicamente um extrato oleoso, que utiliza óleo vegetal de girassol orgânico como veículo), o Óleo Vegetal de Rosa Mosqueta da Neals Yard Remedies e o Óleo Vegetal de Prímula da Balm Balm.

No levantamento abaixo listei as marcas e lojas que oferecem óleos vegetais. Apesar de bem longa, essa lista não contempla todas as opções possíveis do mercado: preferi mencionar somente empresas das quais eu já tenha efetivamente experimentado pelo menos dois produtos, com resultados positivos.

Por razões de ordem prática, mencionei apenas as certificações orgânicas das seguintes instituições: SisOrg, IBD, Soil Association, USDA e Ecocert. Quando o produto está sinalizado como “orgânico não certificado”, é possível que ele seja certificado de outras maneiras. Entrar em contato com o SAC das empresas é a melhor forma de obter mais detalhes sobre cada caso.

Os óleos estão dispostos em ordem alfabética, com nomes em português, inglês e latim. Alguns óleos vegetais contêm vitamina E, adicionada por sua ação antioxidante; essa informação é dada nos respectivos sites. Abaixo de cada óleo vegetal (OV) informo as marcas, o país de origem das empresas, as lojas virtuais e físicas, os selos de certificação e os textos sobre as lojas que eventualmente já tiverem sido publicados aqui no Tantas Plantas, tudo com os respectivos links.

OV de Abacate (Avocado, Persea americana)
Neal’s Yard Remedies (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.

OV de Amêndoa Doce (Sweet Almond, Prunus amygdalus var. dulcis)
Balm Balm (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.
Neal’s Yard Remedies (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.

OV de Argan (Argan, Argania spinosa)
John Masters Organics (Estados Unidos), vendido na Love Lula, orgânico, certificado com selo USDA. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Love Lula”.
Acure Organics (Estados Unidos), vendido na iHerb e na Spirit Beauty Lounge, orgânico, certificado com selo USDA. Mais informações sobre as lojas nos textos “Loja virtual: iHerb” e “Loja virtual: Spirit Beauty Lounge”.
Neal’s Yard Remedies (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.

OV de Borragem (Borage, Borago officinalis)
Balm Balm (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.

OV de Buriti (Buriti, Mauritua flexuosa)
Terra-Flor (Brasil), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo SisOrg.

OV (Extrato Vegetal Oleoso) de Calêndula (Calendula / Marigold, Calendula officinalis)
Cativa Natureza (Brasil), vendido em loja virtual própria e em lojas físicas da marca, orgânico, certificado com selos IBD e SisOrg.

OV (Extrato Vegetal Oleoso) de Camomila (Chamomile, Chamomilla recutita)
Cativa Natureza (Brasil), vendido em loja virtual própria e em lojas físicas da marca, orgânico, certificado com selos IBD e SisOrg.

OV de Cânhamo (Hemp, Cannabis sativa)
Pukka (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.

OV de Caroço de Damasco (Apricot Kernel, Prunus armeniaca)
Neal’s Yard Remedies (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.

OV de Caroço de Pêssego (Peach Kernel, Prunus persica)
Balm Balm (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.

OV de Castanha-do-Pará / Castanha-do-Brasil (Brazil Nut, Bertholetia excelsa)
Ikove (Brasil), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo USDA inclusive em território nacional.
Terra-Flor (Brasil), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo SisOrg.

OV de Coco (Coconut, Cocos nucifera)
Dr. Orgânico (Brasil), vendido em loja virtual própria (além das lojas físicas Loja Orgânica, Fontes de Produtos Naturais e Armazém Vale das Palmeiras), orgânico, certificado com selos SisOrg, USDA e Ecocert.
Pukka (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.

OV de Copaíba (Copaiba, Copaifera officinalis)
Cativa Natureza (Brasil), vendido em loja virtual própria e em lojas físicas da marca, orgânico, não certificado.

OV de Gergelim (Sesame, Sesamum indicum)
Jatobá (Brasil), vendido na loja física Armazém Vale das Palmeiras, orgânico, certificado com selos SisOrg e Ecocert.
Pukka (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.

OV de Jojoba (Jojoba, Simmondsia sinensis)
Balm Balm (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.
Neal’s Yard Remedies (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.

OV de Linhaça (Linseed, Linum usitatissimum)
Jatobá (Brasil), vendido na loja física Armazém Vale das Palmeiras, orgânico, certificado com selos SisOrg e Ecocert.

OV de Nim (Neem, Melia azadirachta)
Neal’s Yard Remedies (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.
Pukka (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.

OV de Pracaxi (Pracaxi, Pentaclethra filamentosa)
Terra-Flor (Brasil), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo SisOrg.

OV de Prímula (Evening Primrose, Oenothera biennis)
Balm Balm (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.
Neal’s Yard Remedies (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.

OV de Rícino / Mamona (Castor, Ricinus communis)
Pukka (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.

OV de Rosa Mosqueta (Rosehip, Rosa canina)
Ikove (Brasil), vendido em loja virtual própria, orgânico, não certificado.
Balm Balm (Inglaterra), vendido na Feel Unique, orgânico, certificado com selo Soil Association. Mais informações sobre a loja no texto “Loja virtual: Feel Unique”.
Pai Skincare (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.
Neal’s Yard Remedies (Inglaterra), vendido em loja virtual própria, orgânico, certificado com selo Soil Association.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Resenha: óleo de rosa mosqueta Rosehip Oil, da Neal's Yard Remedies”
“Resenha: tratamento para o cabelo com Óleo de Coco, da Dr. Orgânico, e Óleo de Linhaça, da Jatobá”
“12 ingredientes que devem ser evitados”

domingo, 23 de março de 2014

Resenha: tratamento para o cabelo com Óleo de Coco, da Dr. Orgânico, e Óleo de Linhaça, da Jatobá

Em 2011 falei sobre o uso de óleo de coco como máscara de tratamento pré-xampu aqui no blog, e até hoje ele faz parte da minha rotina, com algumas mudanças. A primeira alteração se refere ao produto: em janeiro de 2013 passei a usar o Óleo de Coco Virgem Orgânico, da marca Dr. Orgânico – que, assim como o óleo de coco da marca que eu usava anteriormente, não é refinado, mas vai além, por ser orgânico e ter um aroma mais suave.

Óleo de Coco Virgem Orgânico, da Dr. Orgânico
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

Outra modificação foi o acréscimo do Óleo de Linhaça Orgânico, da Jatobá. Fiz isso após ler um relato sobre o uso de óleo de linhaça para fazer massagem capilar (Maria Isabel, obrigada pela dica!). Eu já havia notado a presença desse ingrediente em alguns produtos dos quais havia gostado, como o Óleo após Banho e para Massagem Harmonia, da Reserva Folio, então quis experimentar e fiquei muito satisfeita com a mistura. De acordo com o rótulo, o óleo da Jatobá é extraído de linhaça orgânica, num processo de prensagem a frio, e é engarrafado imediatamente, sob refrigeração, sem filtragem e sem exposição à luz e ao oxigênio.

Óleo de Linhaça Orgânico da Jatobá
Clique na imagem para ampliar [Foto de Michelle C., Tantas Plantas]

A terceira mudança ocorreu com relação ao modo de usar, quando li que na Índia a massagem capilar tem como foco o couro cabeludo e o óleo vegetal é deixado em contato com a pele por um certo tempo. Antes disso eu nunca tinha passado óleo na cabeça, apenas nos fios (da metade do comprimento até as pontas), e deixava agir por apenas dez minutos. Tinha receio de que o couro cabeludo se tornasse muito oleoso caso o óleo fosse utilizado ali, mas depois que comecei a incluir essa área na massagem percebi que isso não acontece, pelo menos comigo. Enxaguar com bastante água, de preferência morna, é fundamental. Se lavado adequadamente depois, o cabelo não fica oleoso; e na hora da aplicação nem sinto que passei óleo, não fico com calor na cabeça ou qualquer sensação desagradável.

Então atualmente junto 1 colher de café de óleo de coco com 1 colher de café de óleo de linhaça num pratinho de louça, resultando em aproximadamente 5ml, que são suficientes para espalhar a mistura nos dedos e aplicá-la aos poucos no couro cabeludo todo, numa massagem que se prolonga para o comprimento dos fios. Pode parecer pouco óleo, até porque meu cabelo é comprido, vai até uns 15cm abaixo da linha dos ombros (por outro lado é liso e não muito volumoso), mas a ideia é cobrir os fios e a cabeça sem deixá-los empapados. Além disso, o óleo de coco e o óleo de linhaça são fáceis de passar, não são óleos muito densos.

Depois prendo o cabelo num coque frouxo e vou cuidar de outras coisas, após uma hora faço um bom enxágue no banho, e em seguida cuido do cabelo do jeito habitual – lavo com um sabonete da Sachi como o Sabonete #25 Oliva & Capim-limão e depois uso um condicionador da John Masters Organics como o Bare Unscented Detangler. O cabelo fica hidratado e macio, mais saudável, o couro cabeludo também.

Cada pessoa tem um conjunto próprio de características, e existem inúmeros outros óleos vegetais nas lojas especializadas. Essa combinação de linhaça e coco tem funcionado bem no meu cabelo – que é liso e castanho escuro, tingido com henna; além de ter espessura, volume e nível de oleosidade normais –, mas outras pessoas podem obter resultados melhores com outras opções.

Tanto o Óleo de Coco Virgem Orgânico da Dr. Orgânico quanto o Óleo de Linhaça Orgânico da Jatobá possuem os selos Produto Orgânico Brasil (do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Ecocert. E o Óleo de Coco Dr. Orgânico tem também o selo USDA Organic. Ambos produtos não são refinados, e por isso se autodenominam “Virgem” e “Extravirgem”, respectivamente. Quando entrei em contato com o SAC da Dr. Orgânico (sac@dr-organico.com.br) para saber se haveria uma opção extravirgem, recebi a explicação de que tecnicamente o óleo de coco só pode ter duas denominações possíveis: seria ou “refinado” ou “virgem”, mas muitas empresas preferem adotar a nomenclatura “extravirgem” por conta própria.

O rótulo do Óleo de Coco Virgem Orgânico resiste bem a manchas de óleo decorrentes do uso. Na foto, o vidro já estava sendo usado há algum tempo e o rótulo continuava em muito bom estado. Já o rótulo do Óleo de Linhaça Orgânico fica manchado com mais facilidade, mesmo assim não se descola e nem se esfarela. Ambas embalagens são de vidro, e o Óleo de Linhaça Orgânico tem a vantagem adicional de ter um vidro escuro, cor de âmbar, o que contribui positivamente na conservação do produto.

Comprei o Óleo de Linhaça Orgânico da Jatobá no Armazém Vale das Palmeiras, que fica na avenida Ataulfo de Paiva 1100-C, Leblon. O telefone é (21) 2294-0988, e a loja faz entregas na Zona Sul do Rio. O vidro de 150ml custou R$22,90.

Já o Óleo de Coco Virgem Orgânico da Dr. Orgânico pode ser encontrado em muitas lojas de produtos naturais aqui no Rio. A Loja Orgânica, que participa do Circuito Carioca de Feiras Orgânicas, costuma ter bons preços. O telefone para informações e agendamento de entregas em domicílio é (21) 3238-5190, o email é marcos.melo@lojaorganica.com.br. Fundada em 2011 por Marcos Melo, um designer com formação tecnológica que conhece a fundo as particularidades da agricultura orgânica e desse mercado como um todo, a Loja Orgânica é a minha preferida para comprar mel, chás, cafés, sucos e grãos, entre outros alimentos, todos orgânicos. E trabalha com os 3 tamanhos de garrafa do óleo de Óleo de Coco Virgem Orgânico, incluindo a menor de todas, de 50ml, que é interessante para um primeiro contato com o produto.

O óleo de coco que fotografei vem num pote de vidro de 300ml, e existe também um maior, de 500ml (a Dr. Orgânico marca trabalha com potes e garrafas). O pote de vidro é mais prático quando o clima está mais ameno e o óleo acaba se solidificando, por outro lado a garrafa é melhor para evitar contaminação do óleo no momento de sua retirada. A solidificação ocorre naturalmente quando a temperatura ambiente fica inferior a 27 graus. Para devolver o óleo de coco ao estado líquido, basta colocar o vidro num recipiente com água morna por alguns minutos. Esse procedimento não afeta a qualidade do produto. Na Loja Orgânica, a garrafa de 500ml está custando R$55,00, a de 250ml está saindo por R$30,00 e a de 50ml está sendo vendida por R$12,00. Também é possível comprar esse óleo no site da própria marca Dr. Orgânico, em http://loja.dr-organico.com.br/.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

LEIA TAMBÉM:

“Aromaterapia: onde encontrar óleos vegetais orgânicos”
“Resenha: Sabonete #49 Castanha-do-Pará 72% Bio, da Sachi”
“Resenha: xampus e condicionadores da John Masters Organics”
“Resenha: condicionador Shine & Care Hair Conditioner, da Lavera”
“12 ingredientes que devem ser evitados”